terça-feira, 12 de junho de 2018

HOJE

                                     Foto: © Lukas Sowada

Aqui nesta terra triste,
nesta tarde quente
onde a chuva brinca
de não acontecer
meu coração de menino
 - pobre coração sensível -
desejoso de um mimo
viu o amor adormecer
longe dos braços de alguém.

E o meu amor de menino,
amor de homem - destino -
morreu sem amar ninguém.

(Wendel Valadares)

segunda-feira, 26 de março de 2018

MUDANÇA

 Imagem:© Joel Robison


Sou um andarilho. 
Funciona mais ou menos assim: primeiro vem a inquietação e você começa a pensar que não está onde queria estar. Então você começa a se mudar - de dentro pra fora. 
Quando você muda - por dentro - a casa não te cabe mais. E é nessa hora que você busca um novo espaço. 
Escolhido o novo espaço, você transporta os entulhos - físicos. 
Primeiro você mora na casa. Mas a casa ainda não é sua. Os cheiros e as marcas pertencem a outras pessoas. Os cômodos contam outras histórias. 
Mas, à medida em que você vai organizando os seus entulhos, a casa vai ganhando a forma das tuas mãos. 
Aos poucos, e com delicadeza, você vai eliminando os cheiros que não são seus. 
De repente, mas sem passe de mágica, quando você se dá conta, já não é mais uma casa, é um lar. 

E você mora. 



(Wendel Valadares)

sexta-feira, 23 de março de 2018

quarta-feira, 21 de março de 2018

A CRIAÇÃO DO MUNDO

                                         Imagem: © Diggie Vitt

Antes de haver o tempo meu coração já te esperava. 
Só depois é que o mundo foi inventado, 
depois que teus dedos feriram de morte a minha pele. 

Antes de haver o tempo meus arrepios eram solitários
e, mesmo sem vida, eu morria incontáveis vezes.

Antes de haver o tempo meus olhos bebiam 
toda a escuridão do dia
e eu era mais denso que a noite. 

[Agora há o tempo]

E, mesmo que nada se ilumine, 
saberei do teu corpo no escuro
porque conheço a direção dos teus passos. 

Beijo-te para que teus lábios existam. 

(Wendel Valadares)

quinta-feira, 8 de março de 2018

SOBRE MUDAR E COMEÇAR DO ZERO

Meu bem, talvez você possa compreender a minha solidão
O meu som, e a minha fúria e essa pressa de viver
E esse jeito de deixar sempre de lado a certeza
E arriscar tudo de novo com paixão...

(Coração Selvagem - Belchior)



Tenho sentido muito medo, de tudo, todo o tempo.
Mas estou prosseguindo. Meio sem rumo,
na direção que manda o coração. 

É coragem o nome disso?

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

SONHAR COM ASAS

                                Foto: Wendel Valadares


Os pardais são teologais.
Testam minha paciência
e zombam da minha
covardia humana.
São antropofágicos os pardais,
devoram meu coração de menino
aprisionado nessa escultura
de carne e sonhos.
Seus voos rasantes e certeiros
atingem em cheio meu ego.
Tenho sonhado com asas,
mas meus pés insistem em
se arrastar, querem sentir
o gosto da terra.
Ó deus, é tão difícil existir
e ainda assim é tão bom.
Quase não tenho pensado
em salvação, mas se 
pelo menos houvesse consolo,
se houvesse compreensão...
Os pardais testam minha paciência
porque estão livres e
eu não estou.

(Wendel Valadares)

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

CONSTATAÇÃO


"[...] Somos pássaro novo longe do ninho..."

(Eu sei - Renato Russo)


imagem: © Cameron Bloom



Sem os teus braços sou apenas 
um menino solitário 
que não aprendeu a voar. 
Teu abraço me dá asas.

(Wendel Valadares)

terça-feira, 26 de setembro de 2017

"Começar de novo
e contar comigo.
Vai valer à pena
ter amanhecido..."

(Começar de novo - Ivan Lins/Vitor Martins)

                                    Imagem: © Krasimir Matarov


Que o amarelo invada nossos dias 
e nos dê ânimo para continuar!

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

VOA



                                        Imagem: © duong quoc dinh


Abro os braços em direção ao céu
e, por um instante, até sinto meu corpo levitar.
É que eu nasci com esse voo pronto,
com essa sede de azul e sol, 
com essa saudade imensa do infinito. 
Basta uma brisa e minhas asas se armam.
Basta um vento e eu já busco um novo ninho.
Basta um sopro e já não me sinto sozinho.


(Wendel Valadares) 

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

SETEMBRO



Nos braços retorcidos do velho ipê
setembro flo(riu) pra mim.

(Wendel Valadares)





*Imagem retirada da internet, sem autoria.