domingo, 24 de novembro de 2013

SOBREVIVEREMOS

                                    Imagem: © Michal Zahornacky

Eu queria escrever sobre o calor que invade minha cidade hoje, a previsão do tempo para a semana, a cotação da bolsa de valores, ou o novo namorado daquela celebridade polêmica, mas não consigo. 
Nada derrama melhor no papel do que você. Tudo começa melhor com a inicial do seu nome, apesar dessa lacuna que se abre em meu coração toda vez que minha mente te desenha. 
Você é um poema que eu não consigo decifrar nem esquecer e fica repercutindo no vazio do meu peito. 
Você é dor e cura. Euforia e mansidão. Ansiedade e paciência. Todos os meus avessos nascem em você. 
Você é calma, é alma, é a palavra que me salva quando a vida fica insuportável. 
Pensar em você é como ler um livro bom, provar o melhor vinho, sonhar sem querer acordar. 
E de fato é nisso que você se transformou: um sonho. 
A minha tentativa desesperada de falar sobre você é para que não morras, para que fiques, mesmo não estando. Mas é que de alguma forma você sempre está.
É por causa dessa saudade que te ressuscito, a cada cinco minutos, ao longo dos dias. 
Morro, tantas vezes, para que o seu reflexo não se perca no vão do tempo. 
E te cultivo, como a última rosa do jardim, porque além da lembrança, seu perfume ficou impregnado na minha alma. 

Embora estejamos tão longe,  você sobreviverá nesse romance sem fim que eu construí para que as nossas histórias se cruzem, se entrelacem e não terminem. 
Sobreviveremos.  

(Aryane Silva* & Wendel Valadares)


Aryane Silva é uma escritora talentosíssima, que retrata com maestria as situações mais inusitadas da vida. Ela escreve aqui: Amor em Letras

2 comentários:

  1. Obrigada pela honra da dança literária! Ficou lindo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi uma honra escrever com você Flor!!!

      Gratidão!!!!

      Excluir